Mochilando Nas Viagens, aventuras wanderlust e ecdemomaníacas pelo mundo.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

DEMOROU, MAS ESTÁ CHEGANDO...

Dominío próprio: www.MochilandoNasViagens.com

Um site repleto de dicas, roteiros, informações completas, muitas fotos. 
Em breve tudo estará migrado para o novo endereço,tudo estará no lugar, reformulado e feito especialmente para o viajante.

É muito mais navegabilidade e rapidez para você acessar todo o conteúdo do @MochilandoNasViagens.

Entre e mande sua opinão, crítica, sugestão. 
Ficarei muito feliz com sua participação.

 www.MochilandoNasViagens.com

Não esqueça de curtir, ativar e se inscrever nas redes sociais:


* Contato E-mail: MochilandoNasViagens@gmail.com




terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

PENEDO: Uma bela parte da Europa entre São Paulo e Rio de Janeiro

Com bônus para Resende e Parque Nacional do Itatiaia


 


Mais um ano novo. E 2017 começou cheio de mudanças e, ainda tem muito mais por vir... algo que só melhora cada vez mais ... as viagens... quanto mais melhor... E a primeira do ano foi para a Finlândia Brasileira, o Distrito de Penedo, no Rio de Janeiro. Bruno e eu ficamos hospedados em Resende, cidade ao lado e passamos um agradável final de semana na região, visitando também o Parque Nacional do Itatiaia.


Para esta viagem alugamos um carro, pois como os lugares a serem visitados ficam distantes um do outro, essa opção foi a mais viável e, comprovadamente a mais acertada, pois aproveitamos melhor nosso tempo.



Saímos de São Paulo, no sábado dia 14 de janeiro bem cedinho, com direção à Resende/RJ, via Rodovia Presidente Dutra. Por volta das 11h, chegamos e seguimos em direção ao local onde conseguimos uma cortesia; nos hospedamos no Hotel Castel Plaza, bem localizado, proxímo a saída da Rodovia.


Optamos por ficar em Resende pensando em economia, ficar longe do burburinho e foi a melhor coisa:  estavamos perto de tudo e com opções mais baratas ao lado. Enfim, tudo muito mais tranquilo e o hotel nos surpreendeu. Banheiro enorme, chuveiro gostoso, tudo limpinho, quarto impecável, internet, opção de jantar, salão de jogos, segurança, atendimento personalizado, amplo estacionamento e depois, na manhã seguinte, um esplendoroso café da manhã, logo para mim que amo comer... me dei muito bem... 

Bom, depois de nos acomodarmos, seguimos para almoçar em Penedo e conhecer o lugar. Olhando pelas fotos e pesquisas na internet, achava o lugar muito peculiar, com sua arquitetura europeia, muito chocolate e opções de passeios. Realmente a Vila é muito linda, acolhedora, mas é passeio para um dia.

Procure sempre e muito bem por refeições mais em conta ou opte por pagar um pouco mais e se deliciar com a culinária local (especialmente a truta) que realmente é excelente e caprichada. Nós preferimos um restaurante fora da rua principal e comemos picanha na pedra + acompanhamentos por R$59,90 e estava muito bom para nós dois.


Depois de encher a pança, conhecemos os pontos turísticos do Centrinho: Shopping Vale dos Duendes, Fábrica de Chocolate (só vimos por fora, estava sem poder comer chocolate, então não quis cair em tentação), Shopping, Vila e Praça Pequena Finlândia (Conhecido como Casa do Papai Noel). E não entramos, mas ficam próximos: Shopping do Esquilo, Casa das Pedras, Artesanatos Eeva, Orquidário Orquídeas Penedo, Museu Finlandês e Clube Finlândia. E um lugar que queríamos visitar e não conseguimos é o Pico do Penedinho, que necessita de autorização da Casa de Chocolate para subir, só que o horário para pegar o ingresso era até as 13h e chegamos depois.


Muitas fotos, comprinhas das minhas lembrancinhas: imã de geladeira e copinho de shot, seguimos para as cachoeiras que ficam fora da área urbana (lembra que falei da sorte do carro, ainda bem, rsrs).


Não muito longe, vamos seguindo o Rio das Pedras, suas corredeiras e pequenas quedas até o Alto Penedo. Toda a área é bem movimentada e o caminho achamos muito ruim, cheio de buracos, além do local não ter como estacionar. literalmente carros jogados pelos dois lados, mas mesmo assim, conseguimos estacionar e fomos visitar o Poço das Esmeraldas. Nenhum segurança  ou guarda-vidas havia por perto, apesar de ter subido um carro da guarda civil, que parou, olhou e depois foi embora. Mesmo sendo bem legal o poço e gelado, achamos o lugar muito “jogado” por ser turístico e decidimos nem seguir em frente, afinal mal dava pra tirar foto, nos decepcionamos pelo conjunto da obra e voltamos para o Castel Plaza Hotel.



Mas para quem tiver disposição, a região conta ainda com a Cachoeira de Deus, Cachoeira Três Bacias,Três Cachoeiras, Cachoeira do Tangará, as Cachoeiras do Rio Palmital (Vale do Ermitão ) e Serrinha do Alambari (a caminho de Visconde de Mauá).




Bom, de volta à Resende, optamos por descansar e na manhã de domingo, após o delicioso e farto café da manhã, tiramos algumas fotos em frente a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e seguimos direto para o Parque Nacional do Itatiaia. Já tinha ligado para lá durante a semana e coletei as informações básicas: sem a contratação de um guia, podemos fazer todas as trilhas e visitar os atrativos da Parte Baixa do Parque e a entrada custa R$16,00 para brasileiros natos. Pagamos a taxa e seguimos direto para as atrações. São alguns quilometros, mas se você está com tempo e disposição, sem problemas. Nós, seguimos de carro.



E, aqui só visitamos pois a água também estava bem gelada: o Complexo Maromba, que compreende a Cachoeira e Piscina Natural do Maromba, a Cachoeira Itaporani (infelizmente o acesso estava fechado), a Cachoeira Véu de Noiva, Lago Azul e podemos apreciar a Vista do Mirante do Último Adeus. O passeio dentro do parque nesta Parte Baixa também não é tão logo e lá pelas 14h saímos do parque e fomos procurar um lugar legal para almoçar. Na verdade, no caminho do parque, há alguns restaurantes com preços bem camaradas.


Depois de nos deliciarmos com a truta local, é hora de voltar para São Paulo, ficar com gostinho de quero mais e já pensando na próxima trip: Carnaval... 


Vamos ki Vamos, @MochilandoNasViagens? :-)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

ANO NOVO... VIDA NOVA ...

Vamos ki Vamos, Viajar?

E aí, tudo bem? Como foram de virada de ano?


Já fizeram muitos planos, já têm em mente suas metas e já iniciaram sua organização de projetos e viagens? Ano novo e as ideias afloram por demais. São muitos desejos, então aproveite, sonhe e, depois, tente transformá-los em realidade.




E precisando de uma ajuda, o blog está aqui. Ou mande-nos um e-mail e conversamos a respeito de uma consultoria de viagens personalizada: 
MochilandoNasViagens@gmail.com

Este é o ano das novidades e, em breve, muitas chegarão por aqui. 

Assine já a newsletter e acesse as redes sociais para ficar por dentro de muitas informações.




Bom ano para vocês. Com muitas realizações. ;-)



@Mochilando Nas Viagens

Acompanhe-nos na net:
* Instagram - https://www.instagram.com/MochilandoNasViagens
* Perfil Profissional / Portfólio - https://www.youtube.com/user/jornalistacristianeramos



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Resenha do Filme: One Week (Uma Semana)

“Never Say Die (Black Sabbath)"


Introdução: 
Para muitos viajantes, montar uma coleção é algo sensacional. Ter um pedacinho de cada lugar visitado para ser apreciado a qualquer hora é excelente. Além de fotos, eu tenho uma coleção de imãs de geladeiras, chaveiros e copinhos de shot (tema para outro post). Mas iniciei outra coleção para me lembrar dos lugares que visitei e até para inspirar a visitar outros e partir para novas aventuras. A minha nova compilação: filmes sobre mochileiros e/ou que inspiram a viajar. E para dividir de uma maneira bem coletiva essa nova paixão, irei fazer um breve resumo e darei minha opinião sobre cada filme que eu adquirir e assistir. Para iniciar, o filme escolhido é um drama canadense: “One Week”.

O que você faria se soubesse que só teria 1 ano, 1 mês, 1 dia?


Traduzido para o português, “Uma Semana” estreou em 2008 e é estrelado pelo ator canadense Joshua Jackson (oh, saudades de #Fringe). 

O enredo é um pouco clichê, mas bem forte, por tratar de um tema pesado como câncer. Ao ser diagnosticado com esta doença terminal, um filme passa na cabeça do protagonista Ben Tyler.


É uma narrativa sobre todos os acontecimentos na vida desta pessoa que se vê cheio de dúvidas sobre si mesmo; alguém que quer se descobrir no mundo, largar tudo em busca de um sonho após descobrir que pode morrer a qualquer momento e, no decorrer da história, formas e contornos vão se formando e se encaixando, afinal “O que você gostaria de fazer?”.



Ben é um cara com uma vida muito básica, simples, sem novidades, chegando até a ser bem sem graça. E quando é diagnosticado com câncer e o médico lhe dá pouco tempo de vida ele começa a questionar sua natureza, seu modo de viver até aquele momento. Relembra o passado: quando criança desistiu de cantar depois da crítica de uma professora, desistiu de jogar beisebol por causa de uma bronca do treinador. Já, adulto, desistiu de publicar seu livro porque editores não estavam interessados... e agora, era um professor infeliz e está prestes a se casar com uma noiva que parece perfeita. 


Mas o destino é sempre uma incógnita e eis que aparece na frente de Ben uma moto e ele decide “viver uma aventura", antes de mais nada (iniciar um tratamento). E essa jornada, que a princípio aconteceria em um final de semana, acaba acontecendo em uma semana, passando pela Trans-Canada Highway e Toronto a Tofino (British Columbia). E, ele se redescobre, vive situações, conhece histórias, pessoas, tira muitas fotos de placas, de monumentos e curte seus momentos (foi uma das partes que mais me identifiquei... ele fazendo selfie junto aos locais e objetos, eu em pessoa, risos).


O filme é literalmente sobre "autoconhecimento", a libertação do conformismo e comodismo. Entender sua vida, limites, pensar no que você quer para o seu futuro. E o que você faz hoje que irá interferir lá na frente. O filme não faz você pensar sobre a doença, que sua vida pode acabar e, sim, pensar no que você ainda pode fazer para aproveitá-la, independente de qualquer coisa, pois o seus desejos vencem.


O ator foi super premiado por sua atuação e além das reflexões, nos presenteia com as mais belas paisagens do Canadá, pois os lugares por onde ele passa no país são espetaculares. E, o tempo (134 minutos) passa muito rápido se você ficar pensando muito, então, lembre-se!


Para completar, além da mensagem sobre a vida, outro destaque do longa é sua trilha sonora 100% canadense, onde as letras combinam com as cenas. Encontrei-a no YouTube a playlist: https://www.youtube.com/watch?v=5hcLre-QxR4&list=PLXx63j98DFkETiSLQhhTee-NiAcvV5JUh


E você, qual o significado da sua vida? Você vai esperar algo extraordinário acontecer para começar a viver? Programe-se. Viva e curta muito! Vamos ki Vamos, @MochilandoNasViagens


Informações Técnicas:
One Week (2008) | 1h 34min | Aventura, Drama
Escrito e Dirigido por: Michael McGowan
Nota IMDb: 7,1/10


*Imagens divulgação retiradas do filme.
Todos os direitos reservados a empresa produtora e staff do filme.
;-)

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Logo em manutenção... em breve atualizações...

E aí, galera? Tudo bom?

Já programaram sua próxima viagem?


Em breve muitas novidades no blog e em todos os canais das mídias sociais.

Iniciando os trabalhos e dando o primeiro passo, o logotipo já está sendo alterado.




Espero que gostem e nos mandem suas sugestões.

E vamos ki vamos, @MochilandoNasViagens!

;-)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

“Você quer brincar na neve? Um  boneco quer fazer?” *

E  que  tal: “Uma  Aventura  Congelante”?

Estes dias, eu vi alguns amigos postando no facebook que o frio tá chegando na Europa. E, quem é que nunca sonhou em conhecer neve? 

Brincar de jogar bolinhas, criar seus próprios bonecos e se deslumbrar com este fenômeno meteorológico, não é mesmo? 

Alguns não gostam porque onde tem neve, está frio, mas realmente é deslumbrante ver floquinhos brancos caindo do céu.




Olha a gente se divertindo:
Ursula e Guilherme
“Na minha primeira vez”, eu fiquei bem impressionada e foi bem marcante, junto de alguns amigos brasileiros e estrangeiros que moravam comigo.  

Aconteceu na noite de ano novo, a primeira que passava fora do Brasil: Reveillon 2010, em Dublin. 

Com direito a muitas risadas, brincadeiras, fotos e boas lembranças que permanecerão na minha vida para sempre.



 

Mas também já tive problemas com a neve: fui com minha amiga Ursula para Liverpool e nosso voo de volta a Dublin foi cancelado devido às condições e tivemos que passar a noite no aeroporto.
Dica importante: nunca esqueça de consultar a previsão do tempo.




Vinho quente em Praga



Outros acontecimentos com neve, não foram tão relevantes, mas foram bem frios. Em Praga, na passagem para o ano novo de 2011, cheguei a pegar -10ºC e em Dublin, também cheguei próximo desta temperatura várias vezes. Além de levar muita “bolada” de neve em um bairro que morei (Dublin 3 - Fairview).
 
A minha sorte é que nunca cheguei a escorregar e cair de bunda no chão, mas já molhei muitas meias por falta de calçado apropriado e já peguei muitos “neviscos” quando entregava jornais no período da manhã. Dica importante: às vezes, vale gastar um pouco a mais e não passar frio.




E você, tem alguma história, aventura com a neve?
Como foi sua “primeira vez”? 
Conte para gente, vamos adorar, com certeza! 



*Frases do filme/música. Todos os direitos reservados a detentora da marca.

;-)

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Uruguai, dias finais

Montevideo, a corrida contra o tempo e Colônia del Sacramento, a beleza cativante

Acompanhe mais fotos em:YouTube @MochilandoNasViagens



A princípio, Montevideo, a capital do Uruguai só seria passagem de uma cidade para outras nestas férias. Pesquisando por seus atrativos, decidimos que não valeria a pena dormir nem uma noite por lá.

Então, logo quando chegamos ao Uruguai, saímos do aeroporto, fomos até a rodoviária e seguimos direto para Cabo Polônio. Aí, voltamos de Punta na hora do almoço e chegamos à Rodoviária de Três Cruces por volta das 14 horas. Demos uma voltinha no shopping do Terminal, tiramos algumas fotos da Cruz, Obelisco a los Constituyentes, Plaza de La Democracia e como eu amo letreiros, portais e placas e, o ônibus para Colônia só iria sair as 19h30, pensamos em ir até a Rambla de Pocitos tirar umas fotos. 


Chivito: Lanche típico uruguaio carne, ovos, frios, cebola (principais ingredientes), geralmente coberto com molho de maionese e servido com batatas fritas, salada russa ou outro acompanhamento. É um prato típico do Uruguai.


Como tínhamos um tempinho, paramos para comer um Chivito e seguimos a pé mesmo até o destino. Do Terminal Tres Cruces até chegar ao letreiro que fica no Bairro de Pocitos, na Rambla República del Peru e tem como ponto de referência o Espaço Kibon, são aproximadamente 4 km. Mas começamos a perceber que o dia foi ficando escuro mais rápido e estávamos andando devagar.

 

No fim, chegamos lá já estava à noite, poucas fotos e voltamos literalmente correndo; meio que nos perdemos, sorte que o Bruno conseguiu resolver e conseguimos chegar em Tres Cruces exatamente às 19h20 (loucura, mas tudo certo). Bora então, seguir para Colônia del Sacramento.
 
Construído pelos colonos portugueses no século XVIII, o Portón de Campo é um portão e uma ponte levadiça e faz parte da muralha restaurada que preserva parte da história local e é a entrada no centro histórico.

Quando decidimos por Uruguai, esta foi a primeira cidade da lista. Encantei-me pesquisando sua história, pontos turísticos e não nos arrependemos de visitá-la e passar uma noite por lá. Colônia del Sacramento foi fundada em 1680, e hoje, o Centro Histórico desta cidadela é reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.


Ao fundo, Bastión de San Miguel: Seguindo o muro do Portón em direção ao rio chega-se a esta pequena fortificação, já em ruínas, com canhões e alguns banquinhos à margem para você sentar e apreciar a paisagem. E próximo fica o Perto do Píer dos Yates fica o Centro Cultural Bastión del Carmen, uma grandiosa construção de 1880


Chegamos à noite e optamos por nos hospedar na rede ElViajero (o mesmo que ficamos em Punta del Este) e valeu muito a pena, ficamos em um quarto coletivo sozinhos. Ainda saímos para dar uma voltinha à noite e comer uma pizza. À noite estava com garoa, mas deu pra curtir um friozinho gostoso.

Logo cedo, após um simples, mas muito bom café da manhã no hostel, corremos para o Terminal Marítimo para comprar as passagens para Buenos Aires. Aqui lhes deixo um conselho: compre antecipado. Não compramos e pagamos o dobro do preço normal lá na hora e quase ficamos sem, pegamos os últimos lugares, mas no fim, tudo ok também (são três empresas que operam este transporte fluvial: ColoniaExpress, Seacat e Buquebus e o tempo de viagem é de aproximadamente 1 hora, com saídas ao longo de todo o dia).


Fizemos um belo city tour nessa charmosa cidade, que na verdade, parece um vilarejo cheio de belezas naturais, vista para o mar, charmosos pontos turísticos, centenárias casinhas, enfim, você se encanta facilmente com tudo. São pouquíssimas ruas, cobertas de pedras que remetem há tempos antigos, a arquitetura também toda rústica, bela e as pessoas são muito educadas, prestativas e atenciosas. 

Farol de Colônia del Sacramento (El Faro): A vista para quem enfrenta os 118 degraus é linda. Inaugurado oficialmente em 1857, está localizado em um ponto estratégico do Rio de la Plata e junto às ruínas do Convento de São Francisco e é possível enxergar as luzes do farol que fica na margem oposta, na Argentina.

Visitamos os principais monumentos da cidade: Centro Histórico (ou Barrio Historico / Casco Viejo), Porto de Iates (Píer dos Barcos) e Clube, Calle de los Suspiros, Bastión (tipo de forte) del Carmen, Bastión de San Miguel, Portón de Campo, Casa Nacarello, Museo del Azulejo e Museu Espanhol. A Basílica do Santíssimo Sacramento fica na Plaza Mayor, onde estão concentradas várias ruínas, vestígios arqueológicos, como a Casa do Vice-Rei, as fundações da Casa do Governador, o Farol de Colônia del Sacramento (El Faro) e o Convento de São Francisco. E nas redondezas da praça estão: Praça 25 de Maio, Praça Manuel Lobo, Pracinha do Gentil-Homem, Casa de Nacarello, Museu Municipal, Museu Português, Arquivo Municipal, Casa de Lavalleja, Casa do Vice-Rei, Museu do Azulejo e Museu Espanhol. Dica: você pode visitar todas as atrações turísticas de uma maneira mais econômica, adquirindo um ingresso único de acesso a todos as atrações da Cidade.



Andamos bastante pelas ruas acolhedoras e cheias de árvores de Colônia. Teve lugares que passamos mais de uma vez, mas vale a pena. E aproveite para apreciar as lindas lojinhas de artesanato, comer nos agradáveis restaurantes da região (optamos por um restaurante de esquina, próximo ao Piér, com Parrillada. Você pagava um valor fixo e comia a vontade – bom e barato) e, não esqueça, de se deliciar com muito dulce de leche.

Ah, outra opção de passeio em Colônia é alugar uma bicicleta, buggy ou caminhar a beira mar e visitar as praias do local, admirando a beleza e tranquilidade do lugar e ainda, relaxar um pouco sem gastar muito. Pois dinheiro foge das mãos e partiu Buenos Aires, o próximo post! 

Vamos ki Vamos, Mochilando Nas Viagens!


MONTEVIDEU:
Refeições: $ 200 Pesos
Outros: $ 300 Pesos
Ônibus Montevideo x Colônia (Empresa COT): $ 342 Pesos
GASTOS TOTAIS EM REAIS (+/-): R$ 110,00 Reais

COLÔNIA DEL SACRAMENTO:
Hospedagem em Hostel com Café – 1 Noite: $ 400 Pesos
Refeições: $ 172 Pesos + $ 200 Pesos
Outros: R$ 50,00 Reais
Entrada Farol: $ 25 Pesos
Barco Travessia para BS (Empresa Colônia Express): $ 1278 Pesos
GASTOS TOTAIS EM REAIS (+/-): R$ 320,00 Reais


Dá um pulinho nas redes sociais para acompanhar a gente:


E-mail de contato: MochilandoNasViagens@gmail.com

;-)